A queda e o esconderijo

Para Adão e Eva, ser feito à imagem de Deus não foi o suficiente. Satanás os tentou com a possibilidade de ter um status igual ao de Deus. Em um instante substituíram a verdade a respeito de quem eram pelas mentiras de satanás. Com resultado, seus olhos foram abertos, mas estavam com medo de ver Deus ou de que ele os visse.

Uma conversa com satanás levou a um conflito entre o primeiro casal e Deus quando o marido culpou “a mulher que me deste por companheira” numa tentativa de se livrar da culpa. Em vez de conversas diárias com Deus, passaram-se a ouvir gritos de dor no parto, sofrimento por causa de plantações que davam certo, confusão, medo e muito mais. Logo um filho mataria o outro, e os gritos angustiados sobre sangue derramado de pais que perderam seus filhos encheriam a terra.

Mas em meio a tal maldição, o Senhor encheu o futuro com uma promessa. O diálogo entre Deus e a humanidade não
terminaria naquele jardim. Haverá um outro dia em que as mentiras de satanás seriam expostas e seu poder de ferir seria destruído. Até mesmo na penumbra da queda, Deus prometeu que haveria luz e vida.

Deus jamais desiste da humanidade. Até na penumbra da queda, Deus prometeu que haveria luz e vida.

Rev. Edinaldo Melo

BOLETIM DOMINICAL – Ano XV – Nº 759 – 25 de junho de 2017

 

Ações falam mais alto

Gn 7.1-5

Diálogos não são apenas de palavras. Toda conversa contém elementos não verbais. Braços cruzados podem significar: “Eu não concordo com o que você está dizendo”. Esfregar as mãos no rosto podem significar: “Estou frustrado com o que você está dizendo”.

Culturas diferentes tem diferentes pistas não verbais que ajudam uma conversa a começar e terminar. Noé é um personagem da Bíblia, descrito como “um homem justo, íntegro entre o povo da sua época; ele andava com Deus” (Gn 6.9). Noé é uma pessoa que deixa suas ações falarem por ele. Para aqueles que estavam cheios de maldade, Noé se sobressai ao se recusar a seguir a correnteza. Noé permanece só, e ele defende Deus. A bíblia diz que quando Deus falou com Noé, Noé respondeu com ações. No caso de Noé, as ações falaram mais alto do que as palavras.

E m nossas conversas com Deus, podemos estar tentados a focalizar no verbal. Podemos até querer negociar com Deus em certos momentos. Porém, nesses momentos, precisamos ser fiéis. Quando Deus dá um comando, nossa resposta deve ser a obediência, não uma demonstração de habilidades verbais. As ações falam mais alto do que as palavras.

Rev. Edinaldo Melo

BOLETIM DOMINICAL – Ano XV – Nº 758 – 18 de junho de 2017

Nosso único consolo

II Co 1.1-7

O resumo do cristianismo começa com uma pergunta: “Qual é o seu único conforto na vida e na morte”? Em princípio, pode
parecer que haja perguntas mais importantes do que essa. Mas, o antigo catecismo cristão não está perguntando sobre conforto em termos de ter uma vida confortável ou aconchegante. A palavra conforto significa literalmente “com força”. A pergunta é onde encontraremos força para lidar com as dificuldades, problemas pressões da vida.

Por que esse conforto está disponível? Jesus explica que o grande consolador dado a nós para sempre é o “Espírito da verdade”
(João 14.16-17). O conforto vem para aqueles que recebem o Espírito Santo. Não é a toa que o catecismo responde a essa pergunta dizendo: “É quem eu pertenço corpo e alma, na vida e na morte – não a mim mesmo, mas a meu fiel Salvador, Jesus Cristo…”

Muitos de nós gastamos muito tempo na vida tentando viver a vida confortável e prazerosa. Gastamos energia e talento buscando apenas nossa comodidade pessoal. Assim, praticamente nos esquecemos do verdadeiro significado do que é estar confortável. A única “zona confortável” da vida encontra-se numa relação de fé, comunhão e obediência a Cristo Jesus.

Você já confessou que Cristo é seu Senhor? Você pertence a Ele?

Rev. Edinaldo Melo

BOLETIM DOMINICAL – Ano XV – Nº 757 – 11 de junho de 2017

Para tudo é possível

Gn 18.1-15

Porque demorou tanto? Por que Deus não deu um filho para Sara e Abrão assim que ele prometeu? As maneiras de Deus estão além das nossas. Os pensamentos de Deus estão além dos nossos. O tempo de Deus está além do nosso. Podemos até concordar que o senso de humor de Deus não é o mesmo que o nosso.

Em vez de castigar Sara por ter rido, Deus sorriu e disse, “você verá”. Antes desta visita do Senhor, Sara se apoiou no seu próprio esquema para filhos. Mas agora ela sabia que apenas Deus poderia fazer com que ela tivesse filhos. Abraão também rio de Deus anteriormente quando Deus renomeou Sara e repetiu sua promessa de dar a ela e a Abraão um filho (Gn 17.7).

Por que demorou tanto? Lições precisavam ser aprendidas. Uma lição que Abraão e Sara aprenderam foi que a maneira com que Deus faz as coisas é muito diferente da nossa. Precisamos aprender isto também. Deus estava disposto a permitir que seu filho morresse na cruz – por nós. Deus estava disposto a enfrentar – superar – a morte. Deus estava disposto a combinar a sua justiça e o seu amor por nós. Deus estava disposto a enfrentar e superar a morte. Deus estava disposto a combinar sua justiça e o seu amor por nós. Deus estava disposto a ser paciente ao nos moldar para ele. Alguma coisa é difícil demais para Deus? Não!

Rev. Edinaldo Melo

BOLETIM DOMINICAL – Ano XV – Nº 756 – 04 de junho de 2017

DIA DO JOVEM PRESBITERIANO

Todo terceiro domingo de maio nas igrejas presbiterianas de nosso país comemora-se o Dia Nacional do Jovem Presbiteriano. Esta é uma grande oportunidade de homenagear em Cristo esta força de integração, que já se chamou Sociedade de Jovens, Sociedade Heróis da Fé, Sociedade Esforço Cristão, etc.

Historicamente, como descreve o Manual Unificado das Sociedades Internas, desde 1936 os jovens das centenas de igrejas presbiterianas do Brasil já estavam se organizando, levando o Supremo Concílio (SC) a recomendar que os pastores dessem todo o apoio para que os jovens se organizassem em cada igreja sob o nome de União da Mocidade Presbiteriana (UMP).

Em 1938 o Supremo Concílio, reunido em Fortaleza-CE, entendeu que os jovens presbiterianos careciam de maior carinho, cuidado e atenção por parte dos ministros (em âmbito nacional). Assim, criou-se a Secretaria Geral da Mocidade, nomeando para exercer o cargo o Rev. Benjamin Moraes.

A partir de sólidas e animadoras informações do Secretário Geral, o SC reconheceu que estava no tempo de também os jovens presbiterianos terem a sua organização nacional. No Instituto Presbiteriano Álvaro Reis – INPAR, em fevereiro de 1946, foi realizado o Primeiro Congresso Nacional da Mocidade Presbiteriana, e organizada a Confederação da Mocidade Presbiteriana (CMP), hoje com o nome de Confederação Nacional da Mocidade (CNM). O primeiro presidente da Confederação foi o jovem Tércio Epêneto Emerique, mais tarde ordenado pastor.

Em 1960, devido a dificuldades de relacionamento entre a diretoria da Confederação e a direção da Igreja, a Comissão Executiva do Supremo Concílio resolveu extinguir a Confederação da Mocidade Presbiteriana e alterar a estrutura do trabalho dos jovens em âmbito nacional. Vinte e seis anos a mocidade passou sem o seu órgão maior. Finalmente, em 1986, sob a coordenação do Rev. Cleómines Anacleto de Figueiredo, então Secretário Geral, foi reorganizada a Confederação Nacional da Mocidade. A cada quadriênio o trabalho vem crescendo de forma positiva e animadora, para honra e glória do Senhor.

A informação atualizada é que a Confederação Nacional de Mocidade hoje abrange 46 Confederações Sinodais, envolvendo 102 Federações Regionais que compreendem 403 UMPs com cerca de 7.099 unio- nistas. Seu moto é: “Alegres na esperança, Fortes na fé, Dedicados no amor, Unidos no trabalho”. A UMP não tem lema, mas o tema de seu quadriênio (2014-2018) é “Servos uns dos outros, pelo amor! Gl. 5.13”. Seu hino oficial é o nº 382 “Mocidade Presbiteriana”. Seu periódico oficial é a “Revista Mocidade Presbiteriana”. A marca da UMP (ao lado) é a estilização de uma tocha acesa, cravada em sua frente uma estrela de cinco pontas, contendo em seu interior a estilização da sigla UMP. A sua forma, constituída de traços precisos e cores vivas, expressa moder- nidade e dá movimento à marca, proporcionando uma imagem gráfica de estilo sofisticado. Parabéns, Jovens Presbiterianos! Rev. Ângelo Vieira da Silva

Rev. Ângelo Vieira da Silva

Vem aí o Marinas Camp!

O Marina’s Camp foi adiado para os dias 19, 20 e 21 de Maio. Em breve mais informações aqui no site.